#raio xiz, letras expressas#

É tarde e a noite trazida pela escuridão do céu está girando, girando, imperceptível. As estrelas pontilham o caminho e não se movem, mesmo ao fixar do olhar. Haverá um dia amanhã porque o relógio balança seus ponteiros e contam o tempo e não será preciso que tudo se caía ao chão, esparramando-se feito o delicioso tubérculo.

Quando passar o trem…as janelas estremecerão. As xícaras do armário tilintintarão e se aquietarão. E um passar de pessoas invadirá a ruela. Movo-me devagar para abrir a janela donde estava ontem a viajar pela noite estrelada tentando seguir as estrelas até seu último brilho. É confuso o ar que adentra o cômodo, meio ensaboado, amanhecido, virulento, permissivo. E aonde está você?